Aneuploidias

É a alteração cromossômica mais comum – correspondendo a cerca de 3 a 4% das gestações reconhecidas – e é a de maior significância clínica. Na maioria dos pacientes são diagnosticadas as trissomias (três cromossomos ao invés de 1 par). Em raras situações, as monossomias (1 cromossomo ao invés de 1 par); estas são incompatíveis com a vida, exceto quando envolvem cromossomos sexuais. Nas trissomias, a mais comum é a do cromossomo 21 (Síndrome de Down), cujo cariótipo é 47,XX+21 ou 47,XY+21 em 95% dos casos.Também podem chegar ao nascimento casos de trissomia dos cromossomos 13 e 18, respectivamente Síndrome de Patau e de Edwards.

Cariótipo de paciente portador da Síndrome de Down:

             

O mecanismo mais freqüentemente envolvido nas aneuploidias é a não-disjunção durante a divisão celular, na anáfase, quando os cromossomos homólogos ou as cromátides irmãs não se separam. Geralmente ocorre durante a meiose I, originando gametas  nulissômicos  ou dissômicos para dado cromossomo. As conseqüências da não-disjunção durante a meiose I e meiose II são diferentes. Se ocorrer na meiose I, o gameta com 24 cromossomos contém ambos os membros do par (materno e paterno). Na meiose II, o gameta com cromossomo extra contém ambas as cópias do par provindas do mesmo genitor.

Foi identificado um mecanismo de controle na divisão celular, inicialmente em leveduras, que tenta reduzir a ocorrência da não-disjunção, conhecido como ponto de checagem do fuso ou spindle checkpoint – ver Checkpoint Cromossômico. O risco de ocorrer não-disjunção meiótica aumenta com a idade materna.

Se a não-disjunção ocorrer na mitose, após a formação do zigoto, poderá causar um mosaicismo, com duas ou mais linhagens celulares. As conseqüências deste mosaicismo dependerão da precocidade que ocorrer a não-disjunção.

Além da não-disjunção, também o retardo anafásico poderá originar aneuploidias. Se trata de um atraso na separação dos homólogos ou cromátides irmãs durante a anáfase. Tanto a não-disjunção quanto o retardo anafásico apresentam o mesmo final comum.

 

 

Artigos gerais sobre alterações cromossômicas e diagnóstico pré-natal

1) Abortamentos espontâneos e risco de recorrência

2) Avaliação de casos de alterações cromossômicas em gravidez

3) Análise em crianças com fendas palatinas

4) Triploidia Fetal Associada à Diminuição da Subunidade b e do Estriol Não-Conjugado no Soro Materno